Cerco aos criminosos

Brasília lidera ranking nacional em apreensão de drogas

Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília
Mariana Damaceno

Brasília é a unidade da Federação com o enfrentamento mais efetivo ao uso e porte de drogas. O Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostra que o Distrito Federal está em primeiro lugar nesse quesito.

O trabalho é diário, e grande parte das apreensões ocorre em rondas de rotina. Nessa quinta-feira (16), uma equipe do Grupo Tático Operacional do 8º Batalhão de Polícia Militar de Ceilândia apreendeu um jovem, de 17 anos, depois de abordar mais de dez pessoas no P Sul.

O rapaz tinha uma tesoura no bolso que cheirava a maconha. Os policiais o acompanharam até em casa e encontraram 2 quilos do entorpecente. Ele foi levado à Delegacia da Criança e do Adolescente pelo crime análogo ao tráfico de drogas.

A capital do País também ocupa boa posição em apreensão de armas de fogo: 11° lugar. Segundo a Polícia Militar do DF, ambos os fatores influenciam na prevenção de crimes graves, como homicídio. A estimativa da corporação é que cerca de 70% desses delitos sejam cometidos com o uso de armamentos.

De janeiro a outubro, a Polícia Militar tirou de circulação 1.738 armas, 80 a mais que no mesmo período do ano passado. “Com isso, evitamos vários crimes, principalmente os contra a vida, que é nosso principal foco”, explica o major do Centro de Comunicação Social da Polícia Militar Michello Bueno.

O Distrito Federal fechou outubro com a menor taxa de homicídios dos últimos 17 anos. Foram registradas 400 ocorrências desde janeiro — 90 a menos que no mesmo período do ano passado —, quantidade mais baixa desde 2000, quando começou a série histórica.

Os dados integram a metodologia do Viva Brasília — Nosso Pacto Pela Vida e estão no último balanço divulgado pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

A mesma lógica se aplica, segundo ele, à apreensão de pessoas pelo uso e porte de drogas. “Muitos consumidores de entorpecentes cometem alguns crimes, como roubo e furto, para manter o vício”, diz.

COMPARTILHE