Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Esportes

Corpo de Bellini é sepultado em Itapira com cortejo e homenagens



Levado em um carro de bombeiros pelas ruas de sua cidade natal, o corpo de Bellini, campeão mundial com a Seleção Brasileira em 1958 e 1962, foi enterrado neste sábado em Itapira, interior de São Paulo. O ex-zagueiro faleceu em São Paulo na última quinta-feira, aos 83 anos, de causas naturais.

Cerca de 300 pessoas acompanharam o cortejo até o Cemitério da Saudade, entre fãs, autoridades e ex-jogadores, como Oscar Bernardi, que defendeu a Seleção Brasileira na década de 1980. No trajeto, Bellini recebeu diversas homenagens, como aplausos de moradores por onde passavam. Os presentes ainda cantaram várias vezes o hino do Brasil e da cidade.

O corpo do ex-jogador estava sendo velado na cidade desde a noite de quinta-feira, e foi sepultado com o caixão envolto em bandeiras do Vasco, do São Paulo, do Brasil e de Itapira. São Paulo, Itapirense, Sandojoanense e a CBF enviaram coroa de flores.

Bellini sofria de Mal de Alzheimer há dez anos. Na época em que era jogador, o capitão eternizou o gesto de levantar a taça acima da cabeça, quando fez pela primeira vez na conquista da Copa do Mundo de 1958.

Em 1962, já como reserva, o jogador foi bicampeão do Mundo. Ao longo da carreira, Bellini tornou-se ídolo do Vasco e do São Paulo. Revelado no Itapirense em 1946, o ex-jogador ainda defendeu Sanjoanense antes de defender a Seleção Brasileira. O zagueiro se aposentou em 1969, quando vestia a camisa do Atlético Paranaense.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente