Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Eleições 2014

Corrente do PT Lutas e Massas corre para o lado do PSB de Pernambuco



Sob a alegação de autoritarismo de lideranças petistas na campanha em Pernambuco e descontentamento com a aliança do PT com o candidato ao governo estadual Armando Monteiro Neto (PTB), a tendência interna do partido PT de Lutas e Massas (PTLM) declarou, nesse domingo (28), seu apoio ao candidato adversário, Paulo Câmara, do PSB.

Câmara, que iniciou a campanha em franca desvantagem, ultrapassou o petebista, de acordo com as pesquisas. A última rodada do Datafolha mostrou o socialista com 43% e Monteiro Neto com 34%. A subida e virada ocorreu depois da morte do padrinho político e presidenciável Eduardo Campos, no dia 13 de agosto. A campanha socialista usa a comoção pela tragédia em favor dos seus candidatos.

“Lideranças comandadas tentam o tempo todo impor suas posições políticas ao partido que carecem de lógica democrática e atendem somente aos próprios interesses, numa tentativa de transformar o PT em partido de cúpulas e de donos”, justificou o petista Gilson Guimarães, referindo-se ao senador Humberto Costa e ao deputado federal João Paulo, candidato ao Senado.

Responsável pela coordenação da campanha da presidente Dilma Rousseff no Grande Recife e membro da executiva nacional, Gilson Guimarães, integrante da tendência, também reclamou que a campanha petista estava “escondendo Dilma” nos últimos 15 dias, e só voltou a assumir a candidata depois que ela começou a subir nas pesquisas. O PTLM afirma manter o apoio à reeleição da presidente Dilma.

Em nota divulgada nesta segunda-feira (29), a presidente estadual do PT-PE, Teresa Leitão, considerou a atitude do PTLM de apoiar o candidato socialista um ato “inaceitável e inadmissível”, e “uma afronta às decisões legítimas” do partido.

“É uma decisão apequenada, típica dos que priorizam seus interesses em detrimento do projeto de mudanças que o PT lidera”. Destaca que a tendência interna é “um grupo minoritário que escolheu fazer o jogo dos adversários” e que “trai a candidatura Dilma”.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente