Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Cristovam nega arquivar projeto da maconha e promete proposta séria

Foto/Arquivo Notibras


O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) descartou nesta segunda-feira arquivar a sugestão de projeto sobre a regulamentação da maconha no Brasil, da qual é relator. Sem anunciar sua posição, o congressista reconheceu que o mundo está perdendo a guerra contra as drogas e disse que apresentará uma proposta com uma posição “firme” sobre o tema, possivelmente em novembro.

“Pelo arquivamento (o meu parecer) não será. Vou ter uma proposta”, disse o senador na saída de uma audiência pública sobre a regulamentação da maconha. Cristovam, no entanto, não disse se já está inclinado a apresentar um projeto pela regulamentação da droga. “Não sei, tem muitos caminhos. Tem o caminho de dizer: vamos deixar para um plebiscito (para que a população opine sobre o tema). Vou encontrar uma posição firme, clara. Não quero tergiversar”, afirmou.

Cristovam é relator de um projeto de iniciativa popular sobre o uso recreativo, medicinal ou industrial da maconha. O parlamentar promoveu a segunda audiência para debater, entre outras questões, se o uso da erva leva a outras drogas ou se uma eventual regulamentação reduziria a violência gerada pelo tráfico. Ao final de uma série de audiências, Cristovam poderá optar por apresentar um projeto de lei ou arquivar a proposta.

Nesta segunda-feira, foram ouvidos o coronel Jorge da Silva, ex-chefe do Estado Maior da Polícia Militar do Rio de Janeiro, e Nivio Nascimento, do programa Estado de Direito do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Para o militar, o modelo proibicionista não deu certo. O senador concorda.

“O proibicionismo atual não está dando resultado. Vamos ter que descobrir outra forma de tentar enfrentar o problema da droga”, disse.

Durante o debate, o senador ouviu opiniões divergentes sobre a regulamentação da droga. Os que apoiavam a sugestão popular defenderam um debate científico, enquanto os que sustentavam a proibição apresentaram exemplos de dependentes químicos disseram ter começado com a maconha.

“Esse papo de dizer que o fumador de maconha vai ficar só nela, isso não existe”, disse Jorge Damasceno, ex-dependente químico, que acompanhou o debate. “Maconha perde o controle, inibe seu raciocínio”, opinou.

O senador também ouvir o depoimento de um pai, Fábio Machado, que viu sua filha, portadora da Síndrome de Drevet, melhorar de crises convulsivas depois que começou a dar óleo de maconha para ela, substância que precisa conseguir de forma ilegal.

“A partir do CBD (óleo de maconha) minha filha começou a ganhar qualidade de vida. Ela ficava sentada, na frente da TV, hoje ela anda pela casa, brinca com o cachorro da vizinha, ela dança”, disse. “Se o que eu estou fazendo for errado, eu vou continuar errado. Se pegar o remédio dessa forma for tráfico, eu sou traficante, mas pelos meus filhos e minha família, sempre vou atrás do melhor”, afirmou,

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente