Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Empresa do Canadá coloca anúncio vendendo ilhas no litoral brasileiro



Se as condições da economia brasileira não têm atraído investidores estrangeiros, cenários paradisíacos, praticamente intocados, podem conseguir o truque: fazê-los desembolsar centenas de milhares de reais para adquirir sua própria ilha em território nacional, principalmente nas costas da Bahia e do Rio de Janeiro. É o que revela reportagem do G1.

A empresa canadense especializada em venda e aluguel de ilhas no mundo inteiro Private Islands Online oferece propriedades brasileiras em seu catálogo de aproximadamente duas dezenas de opções. Os preços partem de US$ 250 mil e chegam até US$ 15 milhões, ou perto de R$ 47 milhões, dependendo da localização, do tamanho, e do “grau de desenvolvimento da região”.

Os valores mais baixos são de propriedades sem qualquer tipo de infraestrutura e com acesso mais difícil. Para atrair o interesse de compradores aos locais inóspitos, a Private Islands sugere a construção de resorts ecológicos que, a tarifas normalmente mais altas que as médias de hotéis, oferecem a “união entre o conforto e a natureza”.

Porém, apesar de as ofertas parecerem tentadoras para alguns, o processo de “aquisição” não é tão simples. Conforme explica o advogado André Hermanny Tostes, sócio da Tostes e Associados Advogados, as ilhas oceânicas e costeiras são propriedade da União e, por isso, não podem ser cedidas a outra pessoa sem autorização do governo.

“As ilhas podem ser dadas em aforamento, contrato que pressupõe a conveniência de se radicar na ilha o indivíduo que pretende o seu uso, mantendo-se a propriedade da União”, disse o especialista. Ou seja, vende-se, na verdade, o direito de fazer uso do local. “A posse é nos termos do contrato de aforamento, em princípio permanente e transmissível hereditariamente”.

Além disso, há custos para se manter uma propriedade como essa, como o foro (valor anual que se paga “pelo direito de uso”) e do laudêmio (tributo que se paga quando da transmissão do uso para outro particular).

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente