Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Filho de cantor do Pique Novo é morto em briga de bate-bolas

Publicado

Foto/Imagem:


Uma confusão entre grupos de bate-bola tirou a vida do jovem Marlon Augusto Fernando Luciano, de 19 anos, na saída de um bloco de carnaval em Nilópolis, Região Metropolitana do Rio, na noite de segunda-feira (2). Marlon era filho do vocalista e percussionista do grupo de pagode Pique Novo, Edson Cigano. O jovem foi atingido por um tiro nas costas depois que o grupo em que ele estava foi intimidado por um bando de 10 pessoas, dentro de um túnel de pedestres, perto da estação ferroviária de Olinda.

O cantor Edson Cigano disse que outros dois amigos do seu filho ficaram feridos na abordagem. Cigano contou ter passado no local do incidente cerca de 30 minutos depois. “Meu filho estava saindo com amigos e foi abordado por um grupo de 10 pessoas dentro do túnel. Eles perguntaram de qual grupo de bate-bolas eles eram e começaram a atirar. Na correria, meu filho acabou levando a pior, mas eu não queria que tivesse acontecido com nenhum deles”, lamentou.

De acordo com informações da 57ª DP (Nilópolis), as investigações estão em andamento. A delegacia aguarda a liberação médica das vítimas para que elas possam prestar depoimento. Quatro pessoas já foram ouvidas e agentes estão nas ruas em busca de outras testemunhas.

Edson disse ainda que já havia alertado seu filho sobre o enfrentamento de grupos de bate-bola, mas que esse ano era uma exceção, já que Marlon já havia até vendido sua fantasia.

“Eu já tinha avisado a ele que esse negócio não estava legal. Mas, esse ano ele pegou emprestada a fantasia com um dos melhores amigos dele. Disse que ia ser rápido, ia até o coreto e voltava”, contou ele, que acrescentou que no ano passado os amigos de seu filho haviam sido intimidados por outro grupo de bate-bolas.

Marlon foi enterrado nesta terça-feira (4), às 16h, no Cemitério do Olinda, em Nilópolis. Cigano, que apelidava seu filho carinhosamente de “meu negão”, agora espera o andamento das investigações. “A gente quer justiça e que prendam o resto do grupo”, finalizou.

Segundo a Polícia Civil, todos os procedimentos estão sendo adotados para identificar a autoria do crime e a delegacia aguarda ainda o resultado da perícia realizada no local.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade