Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Veículos

História do velho Maverick que custa os olhos da cara



Thiago Lasco

Na constelação de belos carros antigos que circulam nas noites de terça-feira pela passarela do Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital paulista, um modelo sempre cativou o olhar do representante comercial Julio Alberto Siqueira: o Maverick. Enquanto admirava as linhas do Ford, ele pensava que um dia um daqueles cupês estaria em sua garagem.

O acaso deu uma força para que Siqueira pudesse, enfim, comprar o seu exemplar. Certo dia, em um posto de combustíveis em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, ele se deparou com um cupê branco com um aviso de “vende-se” no vidro.

Ele conta que entrou em contato com o dono e, após examinar o Ford com a ajuda de um especialista, teve de usar seu tino comercial para negociar. “Ele pedia R$ 12 mil, mas havia muita coisa para fazer no carro, além de multas. Fiz uma contraproposta, ele reduziu o preço e acabei pagando R$ 6 mil.”

Ao trazer o cupê para a capital, uma surpresa: já na Marginal Tietê, o motor ferveu. Um mecânico afirmou que o problema é frequente no modelo e seria resolvido com a instalação de um radiador maior. Foi a deixa para o início de um grande trabalho de restauração que envolveu duas oficinas ao longo de três anos e meio.

Durante o processo de recuperação da carroceria, descobriu-se que a pintura original era verde e o tom foi usado em um novo banho de tinta. O motor recebeu retífica e foram substituídos itens como câmbio, freios, escapamentos, faróis, para-choques, cromados e bancos.

Algumas peças vieram na bagagem que Siqueira e três amigos trouxeram dos Estados Unidos. “Cada um levou na mala uma roda para o meu carro.”

Reestreia – Poucos meses depois que ficou pronto, o Maverick debutou em grande estilo e o lugar não poderia ter sido outro: o Sambódromo. “Foi muito bom, ele chamou a atenção de todo mundo”, lembra Siqueira.

Ele conta, aliás, que o carro costuma despertar reações acaloradas por onde passa, tanto de jovens quanto de pessoas um pouco mais velhas. “Todo mundo para e diz ‘que carrão, hein!’, mas ninguém sabe o sacrifício que é manter um modelo desses. Vira e mexe, é preciso fazer alguma coisa nele”, desabafa o dono.

Em 2014, o motor foi refeito novamente, e apenas esse reparo custou mais R$ 14 mil. Siqueira diz que o dinheiro foi bem gasto. “Encontrei um especialista em V8 com um preciosismo que não se vê por aí. Ele pôs o motor em funcionamento por duas semanas antes de instalá- lo no carro”, afirma.

Siqueira diz que já nem sabe quanto investiu no Ford. “Até chegar aos R$ 100 mil, eu anotava todos os gastos. A partir daí, parei de controlar para não ficar maluco”, brinca. “Por isso, quando alguém me oferece R$ 80 mil por ele, eu nem dou ouvidos. Já rejeitei proposta de um amigo que quis pagar R$ 160 mil.” É uma paixão que não tem preço.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente