Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Saúde

Movimento é o melhor remédio contra sequelas



Beka Andrade, Edição

O processo de adoecimento e a necessidade de uma internação hospitalar podem causar grandes prejuízos à capacidade funcional do paciente. Tudo isto pode ser ainda mais complicado caso ele precise passar por uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A última condição certamente impacta na qualidade de vida destas pessoas, e reduzir esse choque, é o objetivo de um grupo de fisioterapeutas do Hospital Santa Luzia, em Brasília.

Os especialistas elaboraram um estudo com parceiros estrangeiros para colocar em prática a ideia de inserir a assistência sistematizada de fisioterapia na recuperação dos pacientes nos mais variados graus de criticidade.

Desde 2012, esse estudo multicêntrico está sendo implantado no hospital e os resultados são mais do que satisfatórios.

“Geralmente quem passa pela UTI sai com sequelas motoras, não conseguem andar direito, ou desenvolvem dificuldades para realizar atividades simples como pentear os cabelos e até alimentar-se. Com esse método conseguimos aperfeiçoar o tratamento e a reabilitação para que o paciente deixe a internação com maior independência funcional, ou seja, mais preparado para ser reinserido na sociedade com a maior qualidade de vida possível”, explica o fisioterapeuta do Hospital Santa Luzia, José Aires, coautor do estudo.

De acordo com ele, é completamente ultrapassada a cultura de que pessoas adoentadas necessitam de repouso absoluto. José Aires acrescenta que o certo é fazer exatamente o contrário: acordá-las e colocá-las para se movimentar.

“Ele deve sair da posição deitada e ser estimulado a se sentar, levantar-se e ficar em pé o mais breve possível. Caminhar pelos corredores do hospital, buscar alguma janela mais próxima, conectar-se com o ambiente externo, respirar um ar livre e de certa forma tentar esquecer-se do ambiente hospitalar por breves momentos. Isso faz toda a diferença”, destaca.

José Aires afirma que de 80 a 85% dos que passaram pela UTI, ao receber a alta saem caminhando de maneira independente, reduzindo a necessidade de uma nova internação, especialmente nos pacientes mais idosos. “Observamos que os pacientes saem com uma nova perspectiva de vida. Isso gera um impacto físico, mental e cognitivo, pois o indivíduo melhora a forma de enfrentamento da doença. Isso é muito importante e auxilia demais no tratamento como um todo”, finaliza.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente