Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Saúde

Muita gente escapa do linfoma, mas nunca é demais se prevenir com exames



Linfoma é um tipo de patologia rara que acomete os gânglios linfáticos. Em outras palavras, é um tipo de câncer que compromete o sistema imunológico atrapalhando o corpo no combate às infecções. Um dos linfomas mais comuns é o de não-Hodgkin – segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o número de casos duplicou nos últimos 25 anos, principalmente entre pessoas com mais de 60 anos. A estimativa de ocorrências da doença para este ano é de 10.240, sendo desses 5.210 em homens e 5.230 em mulheres.

O hematologista Gustavo Bettarello, do Hospital Santa Luzia, em Brasília, conta que embora perigosa, ela pode não apresentar sintomas. “Na maior parte dos pacientes, ocorre um inchaço nos gânglios linfáticos localizados no pescoço, axila e virilha. Os pacientes não apresentam dor, por isso, é recomendado que se analise o próprio corpo e caso constate-se algum inchaço sem motivo aparente, o médico deve ser procurado o quanto antes”.

A doença, inclusive, já acometeu celebridades como os atores Reinaldo Gianechini, Edson Celulari, e também a Presidente afastada, Dilma Rousseff e o Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão.

“Para o diagnóstico específico, é fundamental a realização de uma biópsia. Depois disso, encaminhamos o paciente para o melhor tratamento dependendo do tipo histológico e do estágio do linfoma. Na maioria dos casos a doença é curável”, tranquiliza o médico.

“Em grande parte dos pacientes, é indicado o tratamento quimioterápico, às vezes associado à imunoterapia (anticorpos monoclonais). Em alguns casos, pode ser necessário radioterapia e em outros selecionados, podemos somente observar clinicamente o paciente e acompanhar o caso de perto, sem necessidade de tratamento imediatamente. Em casos mais agressivos do linfoma, o transplante de medula óssea pode ser também indicado”, complementa.

A patologia se desenvolve com mais facilidade em pessoas que apresentam problemas de imunidade baixa, como portadores do vírus HIV, por exemplo. Além disso, doenças genéticas hereditárias também se encaixam nesse quadro.

Gustavo Bettarello ainda comenta que é comum o paciente se desesperar logo que o linfoma é diagnosticado, mas garante que os tratamentos são muito eficientes hoje em dia. “Em caso de notar o surgimento de gânglios, febre vespertina, sudorese noturna ou perda de peso sem motivo aparente, busque orientação especializada”, finaliza.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente