Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


São Paulo

Passe Livre faz ato contra investigação de manifestantes



O Movimento Passe Livre (MPL) fez nesta quarta-feira 2 um ato pedindo o fim do inquérito da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil que investiga atos violentos em manifestações.

Segundo o movimento, a investigação é ilegal porque não apura crimes específicos e funciona, na verdade, como uma forma de identificar as pessoas que participam de protestos em São Paulo.

Os manifestantes fizeram um debate na Praça da Sé, no centro, em frente ao  Tribunal de Justiça de São Paulo.

“Nós estamos denunciando essa pratica e entrando com uma ação [judicial] para trancar esse inquérito cujo objetivo é intimidar e evitar que as pessoas se mobilizem”, ressaltou o integrante do MPL Lucas Monteiro.

Os militantes entraram hoje com uma ação no tribunal pedindo o fim da investigação que tem entre os alvos 22 membros e parentes de membros do MPL. Apesar de intimados repetidas vezes, os ativistas do Passe Livre têm se recusado a prestar depoimento.

O secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella, disse que poderá ser usada a condução coercitiva para garantir que os ativistas compareçam ao Deic.

O ato de hoje foi acompanhado por um grande contingente da Polícia Militar, incluindo a Tropa de Choque, a Cavalaria e o grupo conhecido como “tropa do braço”, policiais com treinamento em artes marciais que não usam armas. A operação, no entanto, não foi tão ostensiva quanto a da noite de ontem (1º), quando foram feitas seis prisões e houve uso de gás lacrimogêneo e spray de pimenta contra os participantes de um debate na Praça Roosevelt, no centro.

“A presença ostensiva da Polícia Militar é uma tentativa de intimidar os manifestantes. Está em 1 x 1  a proporção de policiais e manifestantes. Mas nós não vamos nos intimidar, vamos continuar mobilizados”, destacou Monteiro sobre a presença da tropa no local. “Estamos aqui com diversos movimentos sociais para mostrar que é cotidiana a violência que os movimentos e a população sofrem. Perceber que é importante a unidade entre os militantes e os não militantes também para questionar essa violência que a gente sofre”, acrescentou.

Além do MPL,  representantes de movimentos de moradia, o movimento Mães de Maio e os Advogados Ativistas também participaram do ato.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente