Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

“Regina Casé usa a desgraça dos pobres para esquentar a própria audiência”



– Praticamente me arrancaram da minha casa e me levaram para a TV. A senhora Regina Casé e a produtora do programa Esquenta! limitaram o que eu devia falar. Eu só ‘deveria responder o que me perguntassem’ (…). Quando eu tentava falar sobre a violência da polícia, era cortada. Regina é uma farsa, uma artista, uma mentirosa.”

O desabafo é de Maria de Fátima Silva, mãe de Douglas Rafael da Silva Pereira, conhecido como o dançarino DG, morto em abril deste ano durante ação da polícia militar na comunidade do Pavão-Pavãozinho, no Rio de Janeiro, segundo relata o Terra.

Ela participou, na quinta-feira passada, da Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça (SERNEGRA), evento promovido pelo Grupo de Estudos Culturais em Gênero, Raça e Classe do Instituto Federal de Brasília (IFB) em comemoração ao Dia da Consciência Negra.

Questionada pela plateia sobre a maneira com que a imprensa tratou o caso de seu filho, criticou publicamente, pela primeira vez, a apresentadora global – que, dias depois do assassinato, organizou um programa de homenagem a DG.

De acordo com Maria de Fátima, ela e toda a família foram levados de van, às 5h30, até o Projac. Ao chegar ao local, todos foram trancados em um cômodo pequeno com “uma comida horrorosa” (chamada por ela de “feno”) e avisados que só poderiam sair dali no horário do programa. A única coisa que ofereceram, ainda segundo seu depoimento, foi o auxílio de uma profissional para pintar as unhas e arrumar os cabelos.

“Eu estava há 80 horas sem dormir. Lá ia querer saber de unha e cabelo? Só queria esclarecer a morte do meu filho”, disse.

Em seguida, contou que teve acesso a uma agenda da produção do programa em que encontrou um esboço do roteiro da gravação.

“Não pode falar que foi a polícia” e “Solta fotos sensacionalistas para a mãe chorar” eram alguns dos tópicos escritos. Além disso, Regina teria escrito em outra página que “nunca foi sua vontade fazer programa para pobre e periferia”.

“Já está nas redes sociais do meu filho. Tenho cópias. Posso provar na cara daquela cretina”, afirmou, alegando que, depois do programa, nunca mais teve contato com a apresentadora.

O depoimento de Maria de Fátima Silva foi bastante aplaudido pelos outros participantes do evento, incluindo Jean Wyllys, deputado eleito pelo PSOL, e pela plateia, que imediatamente iniciou o coro “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”.

Procurada, a emissora, segundo o Terra, disse que “as críticas contra a Globo não têm fundamento”.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente