Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasília

Regularização do Por do Sol, em área ecológica, divide os distritais



Na última sessão ordinária do semestre, nesta quarta-feira (25), os debates em plenário giraram em torno de reivindicações de distintos segmentos da população do Distrito Federal. Da galeria, os interessados nas discussões se manifestavam a casa fala de parlamentar.

Uma das discussões foi sobre o PLC nº 85 de 2014, de autoria do Poder Executivo, que altera os limites do Parque Juscelino Kubistchek, área de relevante interesse ecológico localizada entre Samambaia, Ceilândia e Taguatinga. Ao mesmo tempo, a proposta regulariza a situação do condomínio Por do Sol, originado de uma ocupação de área dentro dos limites do parque.

Vários parlamentares defenderam o que consideram direito dos moradores e pediram a votação do PLC na sessão de hoje, enquanto o presidente da Comissão de Meio Ambiente, deputado Robério Negreiros (PMDB), posicionou-se contra. O peemedebista alega não ter havido tempo suficiente para o projeto ser aperfeiçoado, além de faltarem informações necessárias para os deputados saberem exatamente o que estão votando.

“A poligonal não mostra a base cartográfica”, disse o parlamentar, reclamando do fato de o governo não ter respondido questões enviadas pela comissão por meio de requerimento.

Eliana Pedrosa (PPS) apoiou a posição de Negreiros, afirmando que, se o projeto for julgado inconstitucional após a votação, vai atrasar ainda mais a regularização e os moradores terão frustrada a expectativa de direito criada com a possível aprovação da matéria.

O deputado Chico Vigilante (PT), que defendeu a apreciação da matéria nesta tarde, disse que os ambientalistas foram contemplados com uma ampliação de 360 hectares da extensão do parque e que os moradores do condomínio já estavam de fato dentro da área de preservação. Paulo Roriz (PP), Wasny de Roure (PT) e Agaciel Maia também defenderam a votação da matéria durante a sessão de hoje.

Os outros temas debatidos foram a permissão para os camelôs trabalharem normalmente durante o restante da Copa do Mundo em Brasília, direito retirado pelo GDF; e a contratação de 1.200 aprovados em concurso da Polícia Civil, bem como o direito de 200 outros de cursar a Academia e aguardar a futura contratação.

Zínia Araripe

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente