Curta nossa página
Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Segurança mata universitária de 19 e esquarteja corpo

Publicado

Foto/Imagem:


A polícia de Santa Catarina divulgou trechos do depoimento do segurança Leandro Emilio Silva Soares, 26, suspeito do assassinato e esquartejamento da universitária Mara Tayana Decker, 19, crime descoberto sábado (3), em Joinville.

Segundo o delegado Paulo Reis, Soares confessou tê-la matado por asfixia com uma gravata, no momento em que os dois entravam na casa dele no bairro Guanabara, minutos depois de chegarem ao local, na quinta (1º). O suspeito disse ao delegado que a matou em legítima defesa, reação a uma bofetada que teria recebido dela.

A polícia investiga a participação dele em outro crime, em circunstâncias semelhantes, ocorrido na cidade em 2010. O acusado não pode falar com jornalistas e não tem advogado.

Mara Tayane desapareceu por volta das 3h da quinta (1º) ao sair de um bar no centro da cidade. A polícia divulgou um vídeo do bar que mostra o momento em que os dois saem do bar.

Soares, um homem forte e alto (1m82), sai às 3h13m. Dois minutos depois Mara aparece, com passos lentos, carregando uma garrafa de bebida. Ela se abaixa e por alguns segundos procura por algum objeto no chão e também sai.

Na reconstituição das últimas horas dela, a polícia ouviu o taxista que recolheu os dois do lado de fora e os levou do bar à casa do suspeito, onde ela seria encontrada morta no sábado (3). A polícia chegou ao local depois que a mãe de Soares denunciou o crime à polícia.

O taxista disse que Mara não parecia coagida. Segundo ele, a moça entrou no carro após o homem e sentou-se no banco de trás. O segurança ficou no banco dianteiro.

O primo de Mara Tayana disse durante o enterro, no domingo (4), que ela e o suspeito não se conheciam.

Em seu depoimento divulgado pela polícia, Soares disse que Mara o seguiu até o carro e que ele a teria puxado para dentro pelos cabelos. Por essa divergência com o testemunho do taxista, o delegado disse que “a versão de Soares do crime é fantasiosa”.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade