Curta nossa página


Dutch   English   French   German   Italian   Portuguese   Russian   Spanish


Brasil

Só morrendo… É mais um desabafo dos caminhoneiros



Os caminhoneiros estão cansados de carregar o Brasil nas costas como uma carga barata. É o que afirmam representantes da categoria, que fixaram cinco mil cruzes nesta segunda-feira (19) em frente ao Congresso Nacional em protesto contra possíveis mudanças na lei que regulamenta a profissão.

Os motoristas, em tom de desabafo, lembram que no final de abril, a Câmara dos Deputados aprovou alterações, como o aumento da jornada de trabalho e redução do tempo de descanso. O texto seguiu para análise do Senado.

Representante do sindicato de Mogi das Cruzes, Reginaldo Paccini, disse que o número de cruzes representa as mortes nas estradas causadas por caminhões ou ônibus no último ano no Brasil.

– A Polícia Rodoviária passou essa estatística de mortes para a gente. Foram cerca de 5 mil mortos nas estradas em acidentes causados por caminhões ou ônibus, disse.

O protesto aconteceu paralelamente a uma audiência pública sobre o assunto. Nos moldes atuais, a lei garante que os rodoviários tenham meia hora de pausa a cada quatro horas trabalhadas. A jornada é de oito horas, com possibilidade de duas horas extras, e o descanso diário é de nove horas ininterruptas.

Se as mudanças foram aprovadas, o descanso de meia hora poderá acontecer depois de seis horas. Também prevê até quatro horas extras e descanso diário de oito horas. Na justificativa, os parlamentares disseram que queriam uma lei que funcionasse na prática.

Segundo Paccini, os rodoviários necessitam do tempo de descanso da forma como é determinado atualmente na lei. “A gente não pode trabalhar só pensando no lucro que os empresários vão ganhar, temos que pensar também na segurança das nossas estradas. Motorista cansado pode causar acidentes”, afimou.

Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Copyright ® 1999-2019 Notibras. Nosso conteúdo jornalístico é complementado pelos serviços da Agência Brasil, Agência Brasília, Agência Distrital, Agência Estadão, Agência UnB, assessorias de imprensa e colaboradores independentes.

Segue a gente