Parceria privada

Terracap corre para se livrar das dores de cabeça do Mané

Orçado em 600 milhões, estádio teve custo final de 1 bilhão 500 milhões. Foto/Arquivo Notibras
Bartô Granja, Edição

O ‘elefante branco’ em que se transformou o complexo esportivo de Brasília – o Mané Garrincha, autódromo, ginásio de esportes etc -, que gera prejuízos crescentes aos cofres públicos, pode mudar de mão ligeirinho.

Para isso, a Terracap abriu consulta pública sobre a minuta do edital de parceria com a iniciativa privada para gerir, manter, operar e modernizar o Centro Esportivo de Brasília (ArenaPlex).

A população poderá enviar sugestões até 16 de dezembro pelo e-mail [email protected] ou entregar no protocolo-geral da empresa, atrás do Anexo do Palácio do Buriti.

O objetivo é aprimorar o edital de concorrência para concessão de uso de bem público. A minuta do documento — que estará disponível para consulta no site da Terracap — usa como base o modelo de negócio lançado em 2016 pela empresa Dubois & Co., habilitada para ser a responsável pelos estudos do ArenaPlex.

A proposta é usar como exemplo estádios modernos ao redor do mundo, os quais são cercados de equipamentos de entretenimento e lazer, além de serem integrados no cotidiano e na vida dos cidadãos.

Está prevista a construção de um bulevar — espécie de praça —, com espaços públicos arborizados destinados à proteção paisagística e ao lazer.

O projeto considera também a instalação de restaurantes, bares, lanchonetes, academias, cinema, teatro, clínicas e lojas.

Atualmente, a proposta está em fase de modelagem final dos estudos recebidos e de definição das diretrizes urbanísticas pela Secretaria de Gestão do Território e Habitação.

A Terracap também encaminhou ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) uma sugestão das diretrizes urbanísticas que vão nortear a licitação e o concurso público de arquitetura e urbanismo, a ser feito após a assinatura do contrato de concessão.

COMPARTILHE