Duas rodas

Triumph se renova e faz sucesso com a nova Bonneville

José Antônio Leme

A Triumph renovou a sua linha de clássicas, que tem a Bonneville como principal modelo. Montada em Manaus, a moto de visual retrô custa R$ 45.990 e cresceu não só em tamanho. O motor bicilíndrico passou de 800 cm³ para 1.200 cm³.

Além disso, ela ganhou tecnologia. Agora, traz de série freios ABS, dois modos de condução, para chuva e estrada – que mudam a curva de entrega de potência –, acelerador eletrônico, controle de tração e LEDs diurnos.

Para acomodar o motor maior, a moto ficou mais larga. Por isso, está mais confortável para pilotos com mais de 1,80 metro de altura. Há mais espaço em relação à geração anterior, na qual “sobrava piloto sobre a moto”.

A posição das pernas, flexionadas em 90°, não mudou. Ideal seria se ficassem mais recuadas, para reduzir o esforço do piloto na hora de colocar o pé no chão em paradas. A largura e o ponto de fixação do guidom proporcionam boa posição de pilotagem, não forçando a coluna, mas o banco poderia ter uma espuma mais espessa, própria para longos trechos.

O motor bicilíndrico, que rende 80 cv e 10,7 mkgf, funciona sem vibração, mesmo em rotações mais altas, e tem torque disponível desde as mais baixas. No modo chuva, a resposta do acelerador fica mais lenta, o que é bom também para o uso urbano, quando se exige um comportamento mais dócil. O câmbio de seis marchas tem engates suaves, mas que poderiam ser mais curtos.

A ciclística é boa. Porém, como toda moto de aspecto retrô, essa Triumph tem seus limites. O principal é a maneira ineficiente de a suspensão lidar com buracos e imperfeições do piso. A traseira, especialmente, promove batidas secas e fortes.

Já a dianteira, com 120 mm de curso, consegue cumprir bem seu trabalho nas curvas, mas é bom não abusar nas frenagens, quando ela mergulha forte. Os freios a disco, duplo na frente e simples atrás, funcionam bem, mas exigem muita força no manete e pedal.

COMPARTILHE